terça-feira, 22 de dezembro de 2009

ENTRE AMIGOS


Alegria, muita alegria, abraços e até choro, assim aconteceu a festa de confraternização dos Cambonenses realizada neste sábado 19. 
Há muito tempo não reencontrávamos velhos amigos, saudosos de um bate-papo saudável, relembrando os bons tempos da Praça dos Martírios e do Cambona. Lá estiveram: Fernando Dantas, Di Paula, Eufrásio, Alder Riquinho Flores, Cyto, General Botinha, Adelmo Mota, Ivan, Kleber, Kiko, Jessé, Deraldo, Cláudio, Edson(Pinduca), Flávio (Vinhoca), toda família Lima de Souza, Edson Bananola Bezerra e tantos outros amigos novos que compartilharam e abrilhantaram durante toda a manhã e tarde nossa festa.
O fato mais importante, ocorreu com a paz celebrada finalmente entre duas importantes personagens cambonenses: NAU E DEDÉ. Desejamos que encontros como este, sejam constantes, pois aproximam, apertam os laços entre todos os amigos que participam do nosso bate-bola.

Desejo a todos os associados, um NATAL DE PAZ E UM 2010 REPLETO DE REALIZAÇÕES.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

De saudosa memória - Juvenal lopes

Juvenal Lopes, carioca de Laranjeiras, veio para Maceió ainda jovem, fixando residência no bairro do Prado. Tive a satisfação de conhecê-lo, graças à interferência de Marcondes Costa, médico psiquiatra, seu parceiro e com quem também faria parceria. 
Falar de Juvenal é lembrar a sua incansável luta para registrar suas composições, o que só ocorreu em 1999, com apoio da Fundação Cultural Cidade de Maceió – FCCM, ao lançar o CD Brinquedo Acabado, ocorrido após o seu falecimento. Dentre as suas criações, destaque para: Chuva Perdida, Pisei no Lírio, Coração Teimoso, essa em parceria com Alves Damasceno e gravada por Noite Ilustrada.
A desatenção par com aqueles que têm na cultura seu projeto de vida é desalentador, além das dificuldades para registrar suas obras, nossos artistas ainda têm de buscar um espaço para comercializar, pois as lojas que poderiam prestar esse serviço, não têm interesse, a exceção é a Banca Zumbi dos Palmares, ou do Aldo, como é conhecida, onde se pode encontrar em primeiro plano todos os CDs produzidos em Alagoas, por apenas R$ 12,00 (doze reais).