Pular para o conteúdo principal

Hóspede das Formigas

Valdevino estava desempregado há bastante tempo. E não foi por falta de iniciativa. Nas portas em que bateu só ouviu negativas sob as mais variadas desculpas. Nunca aprendeu uma arte, e sem profissão definida, apelava para o biscate como opção mais próxima. Fazia ponto na feira com seu carro-de-mão onde pegava fretes. Embora não fosse casado, era arrimo de família. Na qualidade de filho mais velho, ficou responsável pelo sustento dos irmãos pequenos e da mãe viúva, depois que o pai foi assassinado durante uma discussão num jogo de sinuca. Se Valdevino ganhasse algum dinheiro, todos comiam, caso contrário, ninguém dormia; a agonia da escassez não deixava. No inverno a situação piorava. Com a chegada das águas o movimento diminuía para desespero dos feirantes que ali negociam. A área ficava inundada, o lixo boiava e entupia os bueiros. A fedentina afastava o consumidor enojado e atraía ratos e cães famintos.
Lamentando a sorte com um amigo, motorista de caminhão, recebeu dele proposta para realizar um serviço “sujo”. Consistia em acompanha-lo numa viajem ao interior de Pernambuco de onde trariam escondida sob uma carga de maracujá, meia tonelada de maconha. Empreitada rápida, não obstante perigosa, mas segundo os termos do acordo, o valor da compensadora gratificação seria capaz de garantir a sobrevivência da família pelo resto do ano.
Receoso de se envolver em complicações, fraquejou no primeiro instante, tergiversou, mas diante das argumentações convincentes e tranquilizadoras do amigo, que era reincidente naquele tipo de crime, concordou e viajaram no dia seguinte. Chegaram ao destino ainda com o dia claro. Pernoitaram carregando o caminhão e durante a madrugada empreenderam a última e mais delicada etapa do programa. Na viajem de retorno, cujo ponto de intensidade foi crescente, persistiu um clímax cortante como se estivessem sobre um fio de navalha. O estado de flagrância, mesmo que sob a proteção dos maracujás, cujo aroma dominava o ambiente, não lhes garantia a inviolabilidade do segredo. Uma fiscalização de rotina seria suficiente para por tudo de água abaixo.
Às três horas da manhã estavam próximos a um povoado que não tinha energia elétrica. Embora praticamente desabitada, a área era passagem obrigatória para quem transitasse entre Alagoas e Pernambuco. Tudo transcorria sem alterações até serem surpreendidos por uma “blitz” à beira da estrada. Haviam armado uma ratoeira da qual ninguém escaparia, exceto rompendo a barreira à bala, o que poucos ousariam fazê-lo. Tratava-se de uma operação pente-fino. Policiais sisudos portavam armamento pesado e vasculhavam tudo à procura de agulhas no palheiro. Nem padre usando batina era poupado. Foi um susto dos diabos. Neno, o motorista, encostou o caminhão antes de ser abordado. Mas já era tarde, pois já estavam sob a mira da polícia. Abriu a porta do velho Ford e correu gritando: 
- Corra! Sujou! Sujou!
Valdevino também fugiu. Só que em direção contrária à de Neno que terminou sendo preso. Enquanto ele embrenhou-se no mato a despeito do troar intermitente dos disparos. Corria desembestado e descalço, completamente perdido na escuridão da noite sem lua por uma região que lhe era desconhecida. Chegou a temer que pudesse ser tragado por um despenhadeiro. Mas o medo de ser preso longe de casa e dos maus tratos a que certamente seria submetido, o impulsionou para frente mesmo sem ter noção onde pisava nem aonde chegaria. Terminou esbarrando numa cerca divisória com arame farpado que lhe vasou um olho e o levou ao chão. As circunstâncias o obrigou a suportar a dor sem direito a gemidos, sob pena de denunciar sua posição. Exausto e com a patrulha no seu encalço, imaginou-se perdido. Foi quando tateou um buraco e, acossado pelo pavor de uma fera ferida e na iminência de ser aprisionada, entranhou-se naquilo que parecia inacessível a um homem. A fenda era profunda e sinuosa. Desceu até onde pôde e lhe coube. Embora possuísse um corpo esquálido, aquele aperto lhe estorvavam os movimentos, mas continuou deslizando até sumir nas profundezas. Depois de engolido, percebeu que se tratava de uma morada de formigas-de-roça que, ao serem molestadas com a intromissão indesejada, atacaram-no, evidentemente. Seu corpo ficou agasalhado por uma manta a lhe cortar a carne sem piedade, enquanto ouvia a voz aloprada da patrulha sobre a sua cabeça, bufando de ódio e cansaço, lamentando não contar com o auxílio de cães farejadores. 
Ainda no abrasador esconderijo, onde suportou ser “costurado”, o fugitivo indagava se teria valido a pena ter escapado. Quando se desvencilhou do túnel, o que só ocorreu horas depois, Valdevino estava cego de um olho e com a pele tricotada como a de um sabugo. O amigo preso, o caminhão apreendido, a carga confiscada e um olho inútil. Irreparáveis perdas. E ainda teve de refazer a pé boa parte do caminho de volta para casa. Esse foi preço da liberdade que Valdevino pagou à vista.

Adelmo Marques Luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

Manifesto Sururu

Edson Bezerra, o autor. O manifesto sururu quer muito pouco.  Quem sabe um pouco mais do que exercitar um certo olhar: um olhar atento por sobre as coisas alagoanas. O manifesto sururu não quer apostar e nem pousar em outras imagens.  O que ele procura é exercitar olhos e sentidos por sobre (e dentre) antigas e permanentes imagens das coisas alagoanas: olhar primeiramente os canais que interligam as lagoas e os rios.  Os canais sempre foram as nossas pontes e disto já o sabia Octávio Brandão.  O manifesto sururu também fala da fome. Não da fome comum, mas da fome de devorar as Alagoas. Contra as derrapagens de uma modernidade vazia, uma outra assinalada de coisas alagoanas. Novas rotas. Rotas alagoanas: de canais e lagoas, sobretudo.
Tchello d’Barros  Aqui uma lúdica intertextuallidade com o Manifesto Sururu, esse breviário de saberes, falares e viveres, que você trouxe à tona numa linguagem poética impregnada de essências alagoanas, de ancestralidades, de elementos arquetípicos dessa terra, d…

Grupo Terra

Grupo Terra foi fundado em 1975, sendo composto só por músicos alagoanos. Tinha as suas composições voltadas para o regionalismo e na cultura popular, realizando pesquisas na busca e valorização dos poetas e compositores alagoanos. Apresentou-se pela primeira vez, no altar do Convento de São Francisco, durante o Festival de Verão, realizado em Marechal Deodoro, em seguida, participou de outros Festivais, tendo como destaque, os Universitários de 1989 e 1990 promovidos pela UFAL, os de Verão, os de São Cristóvão, em Sergipe, os das Rádios Gazeta e Difusora de Alagoas. Todas as músicas gravadas e defendidas pelo Grupo Terra tinham como tema: o povo sofrido do campo, as questões políticas, além de chamar à atenção dos Òrgãos Culturais, sobre a necessidade de preservar a nossa história, através da manutenção dos inúmeros prédios e monumentos históricos, que estavam em total abandono. Em 1978 o Grupo Terra, gravou o 1º LP, lançado em nível nacional pela Warner Bandeirantes do Nordeste. Tr…