Pular para o conteúdo principal

FRAGMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO

OS FESTIVAIS DE MÚSICA - Terceira Parte

1. II Festival do Compositor Alagoano
Realizado em 1978, produzido pelos radialistas Haroldo Miranda e Floracy Cavalcante, o Grupo obteria o primeiro lugar com a música Pássaro de Prata, composta por Carlos Moura e Edson Bezerra, a qual daria o nome ao LP do Festival - Pássaro de Prata; outras três músicas também defendidas pelo Terra, foram classificadas:
Preto Velho (Laérson Luiz);
Acordo às quatro (Marcondes Costa);
Agora Cante Cantador (Chico Elpidio e Paulo Renault).
Esse disco foi gravado nos estúdios da própria RDA, em quatro canais, sendo responsável pelo playback e mixagem, o talentoso Francisco de Magalhães Junior.

Pássaro de Prata

Tenho um pássaro de prata numa gaiola de metal
Quero um dia que ele voe por toda América do Sul
O seu canto é uma balada clamando por super-heróis
Esperando a madrugada já é hora de nascer
Grito por todos os homens de toda a América do Sul
De Tiradentes a Bolívar que de novo vão nascer
Grite eu quero ver toda a gente todo o povo se irmanar
Sem sangue com a glória nas mãos
Crianças, mulheres, homens, senhoras
Cantigas de roda, canção de ninar.
Fazendo da história um verso
Invertendo o processo e surgir
O nascer, o viver, o chorar, o correr, o sorrir
Todos não apenas alguns.

2. I Festival Alagoano da Canção Nordestina
Realizado em 1979, cujas músicas classificadas foram gravadas no LP TERRA DA GENTE. O destaque desse festival, além das músicas, foi o jurado cuidadosamente escolhido pelo radialista Edécio Lopes: Guio de Moraes - maestro, Carmélia Alves - cantora, Onildo Almeida – compositor, Claudionor Germano - cantor, Aldemar Paiva - jornalista, Raimundo Campos - pesquisador, Romildo Freitas - radialista, Claudemir Araújo - jornalista e Jovelino Lima - maestro.

O TERRA classificaria nesse festival quatro músicas:
Desesperança (Eliezer Setton);
Chão Quente (Marcondes Costa e Juvenal Lopes);
Festa na Roça (Marcus Antônio M de Barros);
Meu Sertão (José Cavalcante dos Reis e Marcondes Costa).
O disco nominado TERRA DA GENTE, foi produzido pela Rádio Gazeta de Alagoas e gravado na CACTUS em Recife, tendo a coordenação artística do maestro Ivanildo Rafael, direção e produção de Claudionor Germano com direção geral de Edécio Lopes.

As músicas citadas podem ser ouvidas e para dowload, no blog chicoelpidio.blogspot.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …