Pular para o conteúdo principal

FRAGMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

Primeira Parte

A ideia de criar o Grupo Terra surgiu em 1975, e teve como objetivo realizar pesquisas voltadas para o regionalismo, lutar pela permanência das culturas populares, historicamente soterradas pelas narrativas das elites, e principalmente valorizar os poetas e compositores alagoanos, que tinham como temas: o povo sofrido do campo, as questões políticas, a preservação da nossa história, através da manutenção dos inúmeros prédios antigos, que estavam sendo demolidos, os monumentos, que se encontravam em total abandono e por fim, criar uma identidade cultural, através de uma visão prática a partir do localismo das micronarrativas musicais.
O Grupo Terra apresentou-se pela primeira vez em 1976, no altar do Convento de São Francisco, durante o III Festival de Verão, realizado em Marechal Deodoro. Devido à grande aceitação do público, o entusiasmo e a emoção tomou conta de todos, ficando já, naquele instante, definida a data e o local do próximo ensaio. O tema escolhido para a primeira apresentação: uma reflexão temática sobre o nosso rico folclore, as belezas lacustres e marinhas de Alagoas.
TERRA Á VISTA, foi o nome escolhido para o show, que aconteceu em setembro do mesmo ano, no Sérgio Cardoso, mais conhecido como Teatro de Arena, ficando em cartaz em palcos diversos, até meados de junho de 1978.
Primeiro show do Grupo Terra realizado no altar do Convento de São Francisco em Mal Deodoro.









A música escolhida para abertura, foi de autoria de Marcus Vagareza,

MINHA TERRA

Um pedacinho de terra
Cá do norte do Brasil
Do reisado e do fandango
Da chegança e pastoril
Guerreiro chegou a hora de cantar tua origem, do vermelho e do azul,
Desse céu e desse mar, de Manguaba e Mundau
Sol se pondo na avenida, muito amor no coração,
Muita fé muita coragem pra seguir na procissão,
Minha terra tem coqueiros onde o vento faz canção.”

O TERRA durante a sua existência, contou com quatorze componentes: Chico Elpídio, Zailton Samento, Messias Gancho, Pacuã, Zé Barros, Cláudio Carlos, Beto Batera, Elias, Jorge Quintella, Paulinho, Edson Bezerra, Marcus Vagareza, Eliezer Setton e César Rodrigues, quase todos advindos de bandas musicais da época.

Devido à enorme aceitação de todos que assistiram ao primeiro show, algumas personagens se agregaram à proposta do Grupo Terra, entre esses:
Cavalcante Barros, advogado e jornalista, de grande importância para o grupo, ajudava na divulgação dos eventos e as vezes assumia a posição de empresário; o TERRA incluiu em seu repertório duas músicas de sua autoria, uma delas, Penedo, apresentada pela primeira vez, no palco do Cine São Francisco, em Penedo, no show de encerramento do II Festival de Cinema;
Joaquim Alves, professor universitário e jornalista, era um grande incentivador, sempre divulgou as atividades do grupo e por várias vezes acompanhou as apresentações do Terra pelo interior do estado;
Marcondes Costa, psiquiatra, letrista e poeta, dentre muitas atividades, foi um dos integrantes da vida cultural da cidade se Maceió durante os anos 60, tendo participado de festivais de música daquela época. Marcondes compôs com Chico Elpídio, várias músicas para o Terra, e tinha também como parceiro, Juvenal Lopes, compositor alagoano remanescente de rádio da Difusora de Alagoas durante os anos 50, com várias músicas gravadas por grandes artistas da época.
Marcondes é autor do xote ACORDO ÁS QUATRO, que posteriormente virou hino do Movimento Brasileiro de Alfabetização – MOBRAL, na voz de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião;
Paulo Renault Braga Villa Boas, jovem intelectual com origem no movimento estudantil, advindo daí as suas letras politizadas e engajadas no momento político, mais adiante, Beto Batera e Eliezer Setton, um capítulo à parte, que entraria no lugar de Marcus Vagareza.
Suetônio Sarmento – oriundo do bairro do Prado, marcou época ao convidar jovens compositores, para juntos trocarem ideias e apresentarem suas composições. Sua proposta era de unir artistas de diferentes propostas musicais, sendo bastante exigente com relação a mensagem contida, era defensor das letras de cunho político social.
Justamente essa mistura de músicos de baile e de intelectuais, deram ao Grupo Terra uma identidade híbrida, no sentido de uma percepção, a qual, diferenciada, possibilitaria uma curiosa construção artístico-cultural na apreensão do imaginário alagoano, uma vez que, ao apuro técnico dos músicos se somavam a percepção do clima político daqueles anos de fins da ditadura militar, pois ao redor do grupo, gravitavam alguns intelectuais de diferentes trajetórias.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …

Manifesto Sururu

Edson Bezerra, o autor. O manifesto sururu quer muito pouco.  Quem sabe um pouco mais do que exercitar um certo olhar: um olhar atento por sobre as coisas alagoanas. O manifesto sururu não quer apostar e nem pousar em outras imagens.  O que ele procura é exercitar olhos e sentidos por sobre (e dentre) antigas e permanentes imagens das coisas alagoanas: olhar primeiramente os canais que interligam as lagoas e os rios.  Os canais sempre foram as nossas pontes e disto já o sabia Octávio Brandão.  O manifesto sururu também fala da fome. Não da fome comum, mas da fome de devorar as Alagoas. Contra as derrapagens de uma modernidade vazia, uma outra assinalada de coisas alagoanas. Novas rotas. Rotas alagoanas: de canais e lagoas, sobretudo.
Tchello d’Barros  Aqui uma lúdica intertextuallidade com o Manifesto Sururu, esse breviário de saberes, falares e viveres, que você trouxe à tona numa linguagem poética impregnada de essências alagoanas, de ancestralidades, de elementos arquetípicos dessa terra, d…