Pular para o conteúdo principal

Reencontrando inesquecíveis amigos

Fernando Dantas, Anacletum Botinha e Francisco  Vasco.

Foi com muita alegria que recebi no dia 08 deste mês, um email do Fernando Dantas - Naninha, velho amigo e de muita importância na minha juventude. Com êle participei de momentos inesquecíveis ao lado de Geraldo Érico, José Maria e Fausto. A foto ao lado demonstra a família Cambonense reunida em desses inúmeros sábados. Repasso aos amigos leitores o texto de Fernando, que traduz em relação a todos os Cambonenses, um enorme sentimento.
Caro Chico
Existem determinados momentos em nossa vida em que somente a intuição divina, como num lance de alerta, é capaz de nos mostrar ainda à tempo, fatos isolados, os quais ao serem avaliados em sua freqüência e agrupados, nos impelem para uma autocrítica de nossa atuação em relação a um das mais sublimes legados do gênero humano que é a AMIZADE.
De domingo até hoje, em situações de características totalmente diferentes, tive oportunidade de rever e conversar com pessoas as quais não via há vários meses e até anos, apesar de estarmos na mesma cidade. Não que fossem pessoas comuns, de um ou outro ambiente de trabalho, mas pessoas que tiveram uma participação marcante em minha vida, numa época em que o transcorrer da adolescência e inicio da vida de adulto, ainda não sobrecarregava de responsabilidades e compromissos como o dia a dia atual.
Encontrei-me com o Fausto e Maria, com a Carmem e com o Zé Leite no domingo.
Na segunda feira estive com o Pedrinho e com o Guido, em plena Praça dos Martírios durante quase uma hora estivemos relembrando todos os que conviveram conosco ali naqueles bancos e no casarão do Velho Educandário São José, que lamentavelmente hoje dá lugar ao espelhado palácio.
Hoje, quem me ligou à tarde foi o Jose Maria e, do mesmo modo como na conversa que tive com os demais companheiros, você foi lembrado.
Agora à noite, ao pesquisar para um trabalho sobre minha mãe, Laura Dantas, eis que me deparo com dados históricos sobre o Bairro Bom Parto, a Cambona, o Cambonense e por ai, cheguei ao Blog do Chico Elpidio. Minha surpresa maior e a razão deste meu relato, foi que, ao tentar comentar lhe parabenizando pela idéia e pelo bom gosto dos artigos ali inseridos, descobri que a matéria já havia sido publicada desde outubro de 2007, sendo o blog atualizado freqüentemente.
Na realidade, caro amigo, durante todo esse tempo estive afastado do ambiente amigo do Cambonense, assoberbado com compromissos de trabalho que muitas vezes me tomam até os fins de semana. Entretanto, estes fatos servem de alerta para que o trabalho venha a ofuscar um dos bens mais preciosos da vida e que possamos em breve poder desfrutar com todo o grupo de momentos de descontração como nos velhos tempos. 
Fernando Dantas, é engenheiro civil, hoje responde por um importante cargo na Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas.

Comentários

anacletum disse…
Caro Fernando.
Que prazer ler seu texto, cheio de saudades! Pois, mate-as indo ao nosso encontro, vez em quando. Faça como eu que, pelo menos uma vez por mês, vou ao encontro do nosso passado. E como é prazeroso...Aprochogue-se a nós...Abraços Botinha
geraldo rebelo disse…
Chico: muito boa essa reaproximação física do nosso grande amigo e parceiro Fernando.
Na verdade, nunca estivemos afastados espiritual e mentalmente. Nisso estamos juntos sempre. A vida nos afasta apenas fisicamente. A juventude nos fez passar por caminhos comuns que jamais se apagarão.
Grande abraço ao Naninha e a todos.
geraldo.

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …