Pular para o conteúdo principal

SAUDADES DA PRAÇA


Roberto C. de Menezes, é oriundo de Palmeira dos Índios e Cambonense por opção. Durante a sua adolescência no Cambona, teve como fies parceiros os amigos: Alder Flores, Joseval Pereira e Gabriel Campana, quarteto inseparável, seja: nos estudos, nas festas, nos bate-bola e principalmente nas farras que realizavam, nos relatando momentos inesquecíveis e engraçados, dignos de um livro, se assim fossem registrados os fatos ocorridos à época. Beto, como é chamado entre nós, é casado tem um casal de filhos e no momento preside o Conselho Regional de Odontologia. O texto a seguir foi transcrito da Gazeta de Alagoas, editorial do dia 02 de julho de2009:

Vim do interior do Estado, da querida Palmeira dos Índios, no início da vida, morar em Maceió, por motivos de transferência do meu pai, morar nos fundos (oitão) da Igreja dos Martírios, em frente à Praça dos Martírios. Foi nela, onde comecei a dar os primeiros passos da vida, e viver grandes momentos das fases da infância, adolescência e adulta, junto com grandes amigos, que lá conheci, e que ainda somos até hoje.
Na Praça dos Martírios começamos a aprender o cotidiano da vida e a distinguir, as coisas boas e más, onde nos reuníamos, nas horas vagas, com a turma, em frente à casa do Dr. Aldo Flores, Promotor de Justiça.
As turmas eram divididas por faixa etária, não havia distinção de cor, sexo, facção política ou religiosa, classe social. Eram todas iguais, buscando sempre a amizade e a troca de experiências. Na turma da praça, tinha todo o tipo de ser humano, intelectual, boêmio, anarquista, esquerdista, direitista, centrista e sonhador. Tinha de tudo, mas todos conviviam, sem a malícia da sociedade hoje, sem os vícios dos que perambulam pelas praças de hoje.
Foi na “Turma da Praça”, que aprendemos a gostas de ler, namorar, ir as festas, de jogar futebol com os times de outras praças, de tomar “umas cachaças” com colegas, de saber o que era Democracia e Ditadura e ver colegas idealistas e sonhadores por uma sociedade mais justa, estes sim, tinham idealismo. A maioria dos colegas tinha formação católica, devido a nossa convivência com a Igreja dos Martírios, de onde passaram vários freis, de conservadores a progressistas. Mas também tinham ateus,materialistas, espíritas, evangélicos e as mais diversas tendências religiosas. E quando juntavam todos era um verdadeiro culto ecumênico.
Na pequena garagem de minha casa,onde meus pais moravam, tinha um cursinho chamado de “Boa Esperança”,onde os professores eram os mesmos freqüentadores da praça. O curso era coordenado pelo meu querido irmão Denisson Menezes (morto em Cuba),preso político à época, onde foi barbaramente torturado,com outros colegas como o Denis Agra, Breno Agra (falecidos), Jeferson, Fernando, Flávio(juiz de Direito), por defenderem uma sociedade mais justa, que nos ensinavam Biologia, conhecimentos gerais e também a ser gente.
Como também outros bons companheiros que nos instruíamos, contribuindo com vários colegas a ingressarem em faculdades e concursos públicos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …

Manifesto Sururu

Edson Bezerra, o autor. O manifesto sururu quer muito pouco.  Quem sabe um pouco mais do que exercitar um certo olhar: um olhar atento por sobre as coisas alagoanas. O manifesto sururu não quer apostar e nem pousar em outras imagens.  O que ele procura é exercitar olhos e sentidos por sobre (e dentre) antigas e permanentes imagens das coisas alagoanas: olhar primeiramente os canais que interligam as lagoas e os rios.  Os canais sempre foram as nossas pontes e disto já o sabia Octávio Brandão.  O manifesto sururu também fala da fome. Não da fome comum, mas da fome de devorar as Alagoas. Contra as derrapagens de uma modernidade vazia, uma outra assinalada de coisas alagoanas. Novas rotas. Rotas alagoanas: de canais e lagoas, sobretudo.
Tchello d’Barros  Aqui uma lúdica intertextuallidade com o Manifesto Sururu, esse breviário de saberes, falares e viveres, que você trouxe à tona numa linguagem poética impregnada de essências alagoanas, de ancestralidades, de elementos arquetípicos dessa terra, d…