Pular para o conteúdo principal

Manifesto Sururu

Edson Bezerra, o autor.
O manifesto sururu quer muito pouco. 
Quem sabe um pouco mais do que exercitar um certo olhar: um olhar atento por sobre as coisas alagoanas. O manifesto sururu não quer apostar e nem pousar em outras imagens. 
O que ele procura é exercitar olhos e sentidos por sobre (e dentre) antigas e permanentes imagens das coisas alagoanas: olhar primeiramente os canais que interligam as lagoas e os rios. 
Os canais sempre foram as nossas pontes e disto já o sabia Octávio Brandão. 
O manifesto sururu também fala da fome. Não da fome comum, mas da fome de devorar as Alagoas.
Contra as derrapagens de uma modernidade vazia, uma outra assinalada de coisas alagoanas.
Novas rotas. Rotas alagoanas: de canais e lagoas, sobretudo.

Tchello d’Barros 
Aqui uma lúdica intertextuallidade com o Manifesto Sururu, esse breviário de saberes, falares e viveres, que você trouxe à tona numa linguagem poética impregnada de essências alagoanas, de ancestralidades, de elementos arquetípicos dessa terra, dessa gente. 
Seu manifesto é também uma desiderata, uma narrativa que resgata o lado até mesmo atávico da civilização que se desenhou nesta região de antigas sesmarias, o lado oposto das transculturizações - principalmente ianques - que descaracterizam o que cada povo tem de mais original, autóctone e autêntico.

Mácleim
Se você foi capaz de ter sentido, nas doses homeopáticas retiradas do texto do Edson Bezerra, o gostinho salgado e a textura fluida da alma e da lama lagunar das Alagoas, com certeza, vai querer conhecer, na íntegra, o Manifesto Sururu para a consolidação de uma nova postura diante da cultura Caeté. 












Comentários

geraldo rebelo disse…
Muito boas essas reportagens inspiradas no Manifesto Sururu. Este que se propõe mostrar Alagoas em ângulos mais aprofundados, não apenas os periféricos, superficiais e mais visíveis de sua história, de sua geografia, de sua paisagem geológica e humana, de sua produção artística, de suas tradições e inspirações, de seus antagonismos e convergências. Parabéns a todos por esse esmiuçamento das verdadeiras raízes, essas que identificam Alagoas como um pedacinho bem específico e querido da miscigenação brasileira.
macleim disse…
Maravilha, Chico!!!
Não é nada paradoxal que o profundo precise sempre vir à tona. Parabéns pelo blog e, principalmente, pelo conteúdo.
Grande abraço e, no +, MÚSICAEMSUAVIDA!!!

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …