Pular para o conteúdo principal

MUDANDO O RUMO

A indicação do Procurador Gustavo Henrique de Albuquerque Santos para Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Alagoas é importante, não só porque com ele, se dá cumprimento ao mandamento constitucional, que existe desde 1988 e nunca fora cumprido ou coloca-se, apenas, um representante do Ministério Público Especial para integrar o pleno da instituição. Mais do que isso, a sua presença consolidará um perfil e em tudo técnico que pertine às futuras decisões do Colegiado o qual, efetivado a sua presença passará a ser pleno, de fato.
A Diretoria do SINDICONTAS/AL, juntamente com a grande maioria dos servidores da Casa, faz questão de aplaudir a decisão dos Desembargadores, mesmo aguardando a decisão final, que com certeza terá um desfecho salutar para os destinos da Corte de Contas. Aos poucos sendo inovado, o Pleno do Tribunal de Contas, contará com nova postura: Gustavo Henrique de Albuquerque Santos – Procurador junto ao Ministério Público Especial de Alagoas; Ana Rachel Ribeiro Sampaio – Auditora Chefe; Sérgio Ricardo Maciel – Auditor substituto de Conselheiro; Alberto Pires Alves de Abreu – Auditor; Anselmo Roberto de Almeida Brito – Conselheiro concursado e Gustavo Henrique de Albuquerque Santos, futuro Conselheiro, todos concursados e sem comprometimento político. 

Apesar de ter sido necessário haver batalhas jurídicas, ambas envolvendo o próprio TJ/AL, para que se desse cabimento ao que é constitucional, diante da pressão da Assembléia Legislativa e de certa omissão do TC/AL, finalmente a lei e o direito prevaleceram, ganhando, a Corte de Contas provavelmente um integrante de comprovado preparo técnico e equilíbrio sempre demonstrado, o que significa a vitória da ética e da verdade, sobre meros interesses pessoais e políticos. A vitória inicial aplicada no Tribunal de Justiça foi determinante, visto que, o voto da Desembargadora Relatora Elisabeth Carvalho em a favor do Procurador, além de ser o primeiro, os embasamentos jurídicos apresentados foram de grande importância. 

É salutar ressaltar, que durante muito tempo, jamais o TC funcionou, no que pertine às suas decisões, de maneira plena, seja, na plenitude de sua competência, sobretudo a partir da Constituição de 1988, que obriga e determina tanto um membro da Auditoria, quanto um do Ministério Público Especial, provavelmente escolhido na pessoa do Dr. Gustavo Henrique, que, pelo seu vasto e importante currículo e sua prática funcional na área técnico-jurídica, em muito e, sem sombra de dúvida, irá enriquecer e dignificar as decisões do órgão fiscalizador alagoano. 

Estamos todos de parabéns. 

Francisco Elpídio de Gouveia Bezerra 

Presidente SINDICONTAS/AL

Comentários

Rose disse…
Parabéns pelo texto! Estamos com você!
Anônimo disse…
Comentário do Conselheiro Anselmo Brito no Facebbok:

Anselmo Brito

SINDICATO não existe por si só, antes disso, representa a força, a união, a busca do objetivo comum daqueles que o compõem. SINDICATO forte ou não é a imagem refletida dos seus integrantes: FORTES ou não! Ao SINDICATO dos servidores do TCE/AL não resta outra bandeira que não seja a FORTALEZA de propósitos e assim o afirma seu presidente:
http://chicoelpidio.blogspot.com.br/2012/05/mudando-o-rumo.html
Anônimo disse…
Peço a licença poética de Fernando Pessoa para expressar meu sentimento de hoje:

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”
anacletum disse…
Chico, sempre Chico! Parabéns pela postura e pelo texto! Vida que segue...Abrs Botinha

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …