Pular para o conteúdo principal

FRAGMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO -

 GRUPO TERRA
 OS FESTIVAIS DE MÚSICA - Quinta Parte

4. IV Festival de Universitário de Música (DCE – UFAL)

Neste festival, o GrupoTerra defendeu três músicas:
Poder é Querer - Chico Elpídio e Eliezer Setton;
Vielas - Laérson Luís e Chico Elpídio;
Paga Ladrão - Eliezer Setton.

A vencedora deste festival foi a canção “América, uma Canção de Irmãos”, de Edson Bezerra e César Rodrigues;
O segundo lugar, empatados: Pega Ladrão de Eliezer Setton e De Pedra e Pomar de Maria das Graças Monteiro Lins Barbosa (GAL) e Emídio Magalhães;
O terceiro lugar, Poder é Querer, de Chico Elpídio e Eliezer Setton.
A imprensa divulgava e valorizava os Festivais.

 Em 1993, com o surgimento do Canta Nordeste, a música Poder é Querer, foi defendida por Chico Elpídio sendo classificada em segundo lugar, o que possibilitou disputar a finalíssima do festival em Recife representando Alagoas.



Poder é querer

Sem desfazer do que me dizem os ditos memoráveis
De que me vem em mente a mesa posta a dois
Do que me leva a crer no agora sem depois
Sem duvidar do sentimento alheio a vontade
Vontade é grande de sentir e realiza
Milhões de coisas que ficaram por fazer
Edson Bezerra e César Rodrigues em América, Uma Canção de irmãos.
Em segundo plano Paulo Poeta.
Espaço e tempo eu vi passar
Sem contestar sem reagi
De cara em frente ao dedo em riste
Vencido sem lutar sem força sem poder
Agora é tempo de gritar
Agora é tempo de vencer, agora é a vez de decidir
O agora é agora
E o amanhã não tem o que temer
Se morre em pé a vela acesa
Porque é que devo eu me arrastar para viver
Sim vou mudar
De pensamento ideia e vontade
Vou encarar de frente a realidade
Recuperar o tempo todo que eu perdi
Fazer valer de uma vez por todas a verdade
Pra ver se existe um direito de igualdade
Que faça o homem igual ao homem do poder

5. Canta Nordeste

Em 1994, Grupo Terra participa pela primeira vez do Canta Nordeste, festival de música patrocinado pela Rede Globo, aberto a compositores nordestinos.
 A música Serra Pau, composta por Chico Elpídio e Eliezer Setton, sagrou-se campeã da fase alagoana, ganhando o direito de participar da segunda fase em Fortaleza, sendo também classificada para a final em Recife. 
Desse Festival, a Rede Globo lançou o CD CANTA NORDESTE, com as doze músicas classificadas, Serra Pau classificou-se em quinto lugar.

Serra Pau

Velho facão de ponta, ponta em brasa o fole sopra
Queima fere cicatriza, a ferida vai sarar
Gaiola em punho e o chuço, alçapão e emboscada
Ave em tempo de arribada entre as talas vai ficar
E um chapéu de couro, abas largas estrelado
No seu tempo de reinado pertenceu ao capitão – capitão
Caipora, capivara, bicho corre meia noite
Embalado pelo açoite, brisa leve é vendaval
Clarão do dia assusta, salta fora o maribondo
Quem lhe fez na casa um rombo, um calombo vai ganhar,
Transcorre a tarde e o alarde
De fumaça não viu fogo, quebra a banca vira o jogo
No cassino ao fim do sol...
Serra pau, serrador, serra cada qual madeira pro seu senhor
Serra cada qual
Quem quiser brincar de gente, tem que ser mais que doutor
Tem que ser mais que indigente, criatura e criador
Tem que ser indiferente, resistente, sonhador
Tem que ser mais que demente, pra que ature tanta dor
Serra pau, serrador, cada qual é o senhor.
Na igreja o padre reza, sacristão lhe toma o vinho
Os pecados do caminho, penitências vão pagar
Rosário conta a conta, padre nosso Ave Maria
Credo em cruz pra heresia, mês de maio é de oração
E num terreiro ao lado, pai de santo é pai de gente
Cada crença com seu crente, cada deus com seu altar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …