Pular para o conteúdo principal

MAR DE HARMONIAS - LARA MELO

SHOW CONTEMPLADO PELO PRÊMIO DIOGO SILVESTRE

A Música é uma sequência de ondas sonoras com um certo sentido rítmico, melódico. Seria ela um “Mar de Harmonias”, onde tudo está balanceado, sem riscos de naufrágios ou rimas descabidas.
Este, aliás, é o nome do show que a cantora alagoana Lara Melo está trazendo para Arapiraca nesta quinta-feira (18), dentro do projeto contemplado pelo Prêmio Diogo Silvestre, contando com o apoio do Governo do Estado e da Prefeitura de Arapiraca.
Com entrada franca, a apresentação acontecerá no Teatro Cenecista Thereza Auto Teófilo, nobairro do Centro, tendo a abertura feita pelo estudante de Música da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Wyron Roberth.

Neste novo formato, ela homenageia a poesia e a música do cantor alagoano Chico Elpídio, ainda pouco conhecido do grande público, mas de uma pureza gigantesca em suas composições sambistas.
Em novembro do ano passado, a intérprete ganhou o 3º lugar no Festival Em Cantos de Alagoas,realizado em Maceió.

Voz de maçã

Desde os 15 anos, o canto surgiu para Lara Melo como quem nasce para o seu par. Ela entrou para o coral da Escola Técnica Federal de Alagoas (Etfal, hoje Instituto Federal de Alagoas – Ifal), acompanhada e influenciada pela própria mãe. E foi aquele turbilhão todo de emoções.
De lá para cá – atualmente a cantora tem 32 anos de idade –, a paixão vem só aumentando. Hoje ela é integrante da banda de samba Cai Dentro, que é frequente atração dos barzinhos de Maceió aos finais de semana.
Mas este agora é um projeto solo. “A Música me faz flutuar nesse mar de incertezas que é a vida. Dá uma leveza maior em tudo. E poder homenagear o grande amigo Chico Elpídio é de uma honra sem tamanho e, ainda, pela primeira vez em Arapiraca com este projeto agraciado em edital pela Secretaria de Estado da Cultura. Estou muito feliz”, diz Lara, enfatizando ter lançado um DVD recentemente intitulado “Vertente”, com canções de dois Chicos: Elpídio e Buarque.
Para cá, ela traz isoladamente o cancioneiro de Elpídio, que figurava como um dos ponta de lança do Grupo Terra, aqui em Alagoas. Ele próprio aprovou as versões de Lara e já a apelidou de “voz de maçã”.
Fonte: Assessoria


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

ROBERTO MACEDO ROCHA - SHERMAN

Esse o nome do companheiro SHERMAN.
Como surgiu o apelido Sherman não sei. Talvez tenha que recorrer aos veteranos Elias Fragoso, Nilton de Paula, Alan Paurílio, Erivaldo, que eram seus amigos de farra, bola e papo, para saber como surgiu esse apelido.
Conheci o Sherman quando tinha 16, 17 anos e vez por outra participava das farras do Grupo acima.
Sempre recatado, de poucas palavras, mas firme em suas posições, algo me chamou a atenção nele: o companheirismo e lealdade para com os amigos.
Ao longo dos anos seguimos “roteiros solo”
Mas o destino, muitos anos depois, tratou de juntar os Cambonenses, num esforço abnegado do companheiro Enilzo Cardoso dos Santos, que teve a brilhante idéia de “garimpar” os telefones de todos e com algum sacrifício juntou o grupo, que ao longo dos anos solidificou e se mantém cada dia mais unido.
Para nossa felicidade, um dos que veio com o grupo foi o companheiro Sherman.
Calado, discreto, foi chegando e com seu futebol cadenciado foi ganhando a admiração e o r…