Pular para o conteúdo principal

UM AFAGO DO AMIGO E PARCEIRO PABLO DE CARVALHO.

Pablo de Carvalho
Dono de um raro refinamento musical, compositor de harmonias sofisticadíssimas, Chico Elpídio faz parte da profunda tradição chorona, sambista e bossanovista de Alagoas.

Maceió, com seus bairros históricos à beira de mar e lagoa e seus subúrbios em cidade-alta, é verdadeiramente um ambiente perfeito para as rodas de samba de virtuosos, para a quietude sofisticada da bossa nova e para tudo quanto, em música, aglutine os sentimentos dos povos formadores do Brasil; uma cidade de navegantes, miscigenada, romântica e desigual.

Apaixonado por essa cidade, sua terra natal, Chico Elpídio desenvolve um forte sentimento por seu chão, por céu e por seu mar, e vai cantá-los à sua maneira: lapidando melodias cuidadosamente, burilando acordes, encontrando caminhos musicais cuja beleza não é apenas pura manifestação de talento, mas uma expressão de cuidado, homenagem e reverência por Maceió e Alagoas. 

Com o Grupo Terra, formado em 1975, um time de primeira (Chico Elpídio, Zé Barros, Zailton Sarmento, Messias Gancho, Pacuã, Cláudio Carlos, Beto Batera, Eliezer Setton, Edson Bezerra e outros tantos) linha feito exclusivamente para cantar autores caetés, o compositor/violonista firma seu desejo inafastável de cantar as Alagoas de seu afeto. Gravam o LP TERRA, têm músicas tocadas nas novelas Meu Pé de Laranja Lima e Rosa Baiana, da TV Bandeirantes e marcam uma importante fase da consolidação da identidade cultural alagoana.

Partindo para carreira solo, grava os CDs Duas Caras (com Almir Medeiros), Dilúvio e, o mais recente: Contemporâneos, discos autorais cujas composições foram gravadas e regravas por vários do melhores intérpretes alagoanos, como Wilma Miranda, Wilma Araújo, Ana Costa, Leureny Barros, Nara Cordeiro, Michelly Barsand, Dulce Miranda, Lara Melo, Almir Lopes, Eliezer Setton e Dydha Lyra.
Mas um episódio trágico, absolutamente importante e de menção obrigatória, cai na vida de Chico, depois da realização de Dilúvio e antes da de Contemporâneos. Em um acidente doméstico, o compositor perde o dedo anular da mão esquerda. O violonista de ouvido apuradíssimo, o pesquisador de acordes, o artista de grandes harmonias se vê afastado do violão, instrumento da vida toda, que ele conhece como poucos.
 
Triste, mutilado no corpo e no coração, o compositor se retira da vida cultural e das rodas boêmias por um tempo. Mas é apenas por um tempo! Tocando com um dedo a menos, o artista se recria, se supera e, ao invés de trazer ao público uma arte musical diminuída pelo limite físico, ele volta com toda a carga, explorando novos caminhos musicais, renascido da treva, mais criativo que nunca, tocando lindamente seu pinho da vida toda.

Nas rádios, nas novelas, nos bares, nos teatros e há décadas o compositor Chico Elpídio é uma das figuras centrais na linha da música popular criada em Alagoas. Por sua sofisticação, por sua inesgotável criatividade (que superou até mesmo os limites da amputação), por seu desejo de tradução musical da terra em que nasceu, Chico Elpídio se insere entre os grandes da música na terra dos caetés e alhures. Texto de Pablo de Carvalho.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …