Pular para o conteúdo principal

Grupo Terra



Beto Batera, Chico Elpídio, Edson Bezerra, messias Gancho,
Jorginho Quintela, Zailton Sarmento, Eliezer Setton, e Cláudio Carlos.
Grupo Terra foi fundado em 1975, sendo composto só por músicos alagoanos. Tinha as suas composições voltadas para o regionalismo e na cultura popular, realizando pesquisas na busca e valorização dos poetas e compositores alagoanos. Apresentou-se pela primeira vez, no altar do Convento de São Francisco, durante o Festival de Verão, realizado em Marechal Deodoro, em seguida, participou de outros Festivais, tendo como destaque, os Universitários de 1989 e 1990 promovidos pela UFAL, os de Verão, os de São Cristóvão, em Sergipe, os das Rádios Gazeta e Difusora de Alagoas. Todas as músicas gravadas e defendidas pelo Grupo Terra tinham como tema: o povo sofrido do campo, as questões políticas, além de chamar à atenção dos Òrgãos Culturais, sobre a necessidade de preservar a nossa história, através da manutenção dos inúmeros prédios e monumentos históricos, que estavam em total abandono.
Em 1978 o Grupo Terra, gravou o 1º LP, lançado em nível nacional pela Warner Bandeirantes do Nordeste. Três músicas desse disco fizeram parte de trilha sonora das novelas: O MEU PÉ DE LARANJA LIMA - Maria Fumaça, de autoria de Chico Elpídio, Paulo Renault e Eliezer Setton, além de Noite Sertaneja de Marcondes Costa; em ROSA BAIANA - Literatura de Cordel, de José Cavalcante e Marcondes Costa, ambas apresentadas pela TV Bandeirantes. Após ser gravado pelo Grupo Terra, o xote Acordo as Quatro de autoria do psiquiatra Marcondes Costa, foi gravado por Luis Gonzaga tornando-se um dos hinos do Movimento Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL
Formado em 1975 por uma iniciativa de Chico Elpídio, estudante de Direito à época, líder do Grupo Musical Som Sete, que tinha como sede o Iate Clube Pajuçara. Logo desenvolveu um trabalho voltado para a cultura popular, procurando apoio nas idéias das bases, o que deu ao grupo mais liberdade e segurança em seus temas.
O Grupo Terra em sua formação inicial oito alagoanos, assim discriminados:
Ø Vocais: Edson Bezerra e Eliezer Setton;
Ø Violão e Vocal: Chico Elpídio;
Ø Baixo: Messias Gancho;
Ø Bateria: Cláudio Carlos;
Ø Percussão: Beto Batera;
Ø Flauta Doce: Jorge Quintella Filho;
Ø Viola de 10 cordas: Zailton Sarmento;
Compõem para o Grupo Terra: Chico Elpídio, Edson Bezerra, Eliezer Setton, Marcondes Costa, Laérson Luis, Paulo Renault e Zailton Sarmento. Todas as músicas tocadas pelo grupo, e que foi um dos objetivos, era o apoio ao compositor alagoano, ou seja, todas as músicas são de autoria dos componentes, ou de compositores alagoanos.
SHOWS REALIZADOS
A primeira apresentação do Grupo Terra aconteceu na cidade de Marechal Deodoro, ao pé do altar do convento de São Francisco em 1975, durante a realização do II Festival de Verão, intitulado TERRA À VISTA.
- III Festival de Verão de Marechal Deodoro em 1976.
- Cidade Antiga – Discordava dos órgãos públicos municipais dos demolimentos dos edifícios e casas históricas em Alagoas.
-Canto Novo – Cantava as raízes do povo e o seu sofrimento.
- Rescordação - em homenagem ao artista alagoano Reinaldo Costa
- Gente das Brenhas - o povo das brenhas.
- Som Brasil (TV Globo) - apresentação no Programa do Roland Boldrim.
- Dia do Trabalho (Ginásio do Colégio Estadual;)
- Festival de São Cristóvão (Sergipe)

Comentários

Eliezer disse…
Agora sim pude acessar o blog. E dá-lhe memória essa sua. Fiz minha viagem no tempo que ainda transcorre.
De tantas estações referenciais, é o Grupo Terra aquela estação em que desci pra lanchar e voltei ao trem da vida a tempo de continuar mundo a fora.
Se bem que se o Terra tivesse sido meu destino final, já teria valido a pena. Mas que nada: ele vai estar sempre refeletido em tudo que eu fizer ou conquistar dali até o horizonte inatingível.
AZUL '70 disse…
BONITA A MUSICA MARIA FUMAÇA, ENTRE OUTRAS. MAS CADE VOCES, E TANTA GENTE, SUMIRAM? ATÉ QUANDO SEREMOS OBRIGADOS A ENGOLIR PROIBIDAO DE FUNK? ABÇS

MK SÃO PAULO, SP
Sandra M Salgado disse…
Chico Elpídio, tenho me valido dos seus arquivos para resgatar um pouco da trajetória de Eliezer Setton. Até porque ele não para e está às voltas com muitos trabalhos. Tenho tirado dele o que posso nas horas que ele dá sossego. Eita homem agitado esse tal de Setton. Visite o blog eliezersetton.blogspot.com. Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …