Pular para o conteúdo principal

PERFIL


Chico Elpídio - sou alagoano de Maceió, iniciei minha carreira musical tocando em bailes noturnos. Em 1978 criei o Grupo Terra e gravei o primeiro LP lançado a nível nacional pela Warner Bandeirantes do Nordeste, três músicas desse disco fizeram parte de trilha sonoras das novelas: O Meu Pé de Laranja Lima (Maria Fumaça e Noite Sertaneja) e Rosa Baiana (Literatura em Cordel), ambas apresentadas pela TV Bandeirantes. 
Tive o prazer de participar de vários festivais de música, dentre eles, o Universitário e o Canta Nordeste. O meu primeiro CD foi gravado em 1996, intitulado Duas Caras, em parceria com Almir Lopes, o segundo em 2002 - Dilúvio, ambos, produção independente. Me deram a alegria de gravar minhas músicas os cantores(as): Almir Lopes, Dydha Lyra, Eliezer Setton, Ely Setton, Nara Cordeiro, Wilma Araújo, Wilma Miranda, Michele Barsand, Boroca, Dulce Miranda, Leureny Barbosa, Telma Soares e o Quarteto Vozes. Atualmente trabalho na produção do terceiro CD - Contemporâneos, ao lado do meu atual parceiro Pablo de Carvalho, esperando em breve apresentar esse trabalho ao púbico alagoano.
Reencanto 

Forjado em dor, o meu coração fez pena
Que desencantou; já se retirou de cena
Sonhou demais, secou e pediu as contas
Não olhou pra trás, seguiu o rumo das sombras
A flor de metal, cravada na mão, não faz mais que sangrar
É tempo de estar perdido pela multidão
Mas me vem uma voz profunda, aguda, ê, cantar outro final
Diz pra eu não ligar pro mundo vazio, serpente sem amor
E me chama de menino. –Menino bom
Franzino. – Eu sou a lei
E filho da ilusão.
Manda retomar meu canto. – Olha pra mim!
Caído. – Olha pro céu!
Aos pés da capital
Buquê lunar, cama de estar, cantiga
Rescaldo de céu na voz da paixão que vazou
Querido amor, desfio essa voz serena
Fingida de dor, fingida de Madalena
Chego a chorar, chego a fazer de tonta
Mas guardo algo mais
No peito, na voz, na alma
Isso desigual, no teu coração
Me faz te acalentar, de leve
A cuidar de nossa acomodação
Vem me abraçar aqui, vê! – Já posso ver
Aqui vê. – Uma mulher
Meu dengo, até que enfim!
Deita pra acordar em meu bem. – Amor, amor
Sorrindo. – Quero chorar
Um choro tão feliz
Vem desmandar, e vem bagunçar meu corpo
Perdido enfim no ventre de quem te encontrou

Chico Elpídio e Pablo de Carvalho 















Comentários

Edson Bezerra disse…
,,,,,e ai Chico, parabens. Mas tem muito pouco não? A sua história é longa, longa. Tu poderias colocar aquela monografia sobre o Terra. O que achas?


Abraços.
rosilene disse…
Meu querido!
Acho q agora vou conseguir te mandar meu recadinho!!!

Adorie seu blog. Como o Edson disse: vc tem muita história pra contar e ainda muito chão pela frente!!!!

Bjinhos!

Sua namorada.
rosinha disse…
Olá,
Tudo bem?
Tá cada dia melhor!!!
Só não gostei da foto do time cambonese. Atletas com o copo na mão, e aquela blusinha é de lascar. A parte boa é q vc não tem mais aquela barriga, rá, rá, rá, rá!
Bjos!
Sr.Chico Elpídio.Não lhe conheço pessoalmente,mas já escutei muito a seu respeito sempre que vou a esta terra maravilhosa chamada MACEIÓ,meu cunhado Marcelo Santos,nosso querido BOTINHA (se me permite assim chamá-lo também)fala muito de VOCÊ e deste grupo de amigos que sempre estão juntos comemorando e"matando saudades".Tudo de bom e muito sucesso-Abraços Aderbal F. Speck-Balneário Camboriú-S.C.
rafael disse…
Realmente você tem muita história para contar, uma vida repleta de realizações em todos os sentidos... adorei o blog!!!
Netto disse…
Chico, parabéns pelo blog e sucesso sempre em sua vida.
Abração do seu colega de profissão e fã.
Ita disse…
Oi, Chico,
Tenho o CD "Duas Caras". Tem notícia do Almir Lopes? Há muito tempo conheci o trabalho de vocês num evento da minha empresa em Porto Alegre. Sou de Santa Catarina. Hoje estou escutando o CD de vocês. O nome da minha gata é Lara por causa de uma das músicas do CD.
Um abraço, Itamara

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …