Pular para o conteúdo principal

Meus queridos e inesquecíveis parceiros

Com muita observação, insistência e por que não dizer, determinação, passei parte da minha adolescência observando e acompanhando os grandes compositores alagoanos, pois meu sonho era compor nem que fosso uma unica música. Entre os vários compositores que faziam sucesso à época, Antônio Paurilho, era o mais famoso no meio artístico, autor do bolero Ansiedade, gravado por Alcides Gerard, pra meu deleite, residia próximo a minha casa, para compor utilizava o piano.
Juvenal Lopes, autor de Pisei no Liro e Maceió, músicas nacionalmente conhecidas, gravadas por Marinês e Noite Ilustrada, respectivamente. Fui apresentado a Juvenal pelo amigo Marcondes Costa, que já era seu parceiro, o que proporcionou ao Grupo Terra a oportunidade de gravar e defender nos festivais, algumas de suas composições.
Reinaldo Costa, músico integrante do quadro de artista da Rádio Difusora de Alagoas, autor de Rescordação, baião gravado por Marinês e sua gente. Marcondes Costa, autor de Acordo as Quatro, música gravada por Luis Gonzaga e Grupo Terra, utilizada posteriormente como tema do Mobral, com quem em um futuro próximo, tornei-me parceiro. Como se pode observar, iniciei meu aprendizado com os mestres regionais, posteriormente, curioso querendo alcançar novos horizontes, começei a admirar Edu Lobo e Tom Jobim, a cada música ouvida, surgia uma agradável surpresa nas harmonias.

Meus Parceiros
Geraldo Rebêlo foi o meu primeiro, timidamente iniciamos a compor. Nossa primeira parceria foi Estrelinha, depois Bem Devagar e Onde eu me encontro; lentamente fomos fisgados pela bossa nova, assimilamos as novas harmonias e continuamos em busca de idéias e caminhos musicais diferentes, o que resultou em mais de vinte composições, nos motivando a gravar o CD Dilúvio.

Paulo Renault, grande amigo, tivemos uma amizade muito fraterna, era um letrista de idéias arrojadas. Montamos o show, Maceió, cidade aberta, com músicas minhas em parceria com Geraldo Rebêlo e textos do próprio Paulo  Renault. O show foi apresentado várias vezes nos Teatros: Arena e Deodoro, causando excelente repercussão no meio cultural alagoano. Paulo Renault faleceu em 19 de novembro de 2003.

No Colégio Moreira e Silva, onde cursei o último ano do antigo colegial, conheci Teógenes Rocha, dono de uma voz poderosa, com quem tive momentos de criação romântica, dentre tantas, destaco Sempre Assim, gravada por Nara Cordeiro.

Edson Bezerra, meu brother, sempre atento aos movimentos populares, me incentivou para com César Rodrigues, musicássemos a letra Canto do Chão, texto revolucionário, que posterioemente nos daria o primeiro lugar no 3º Festival Universitário, promovido pelo DCE/UFAL. Ainda musiquei as letras: Luana, Mundaú, Dilúvio e Limites, que alcançou o segundo lugar no 2º Canta Nordeste regional.

 Eliezer Setton, filho do Setton Neto, ex Rei Momo, integrante do quadro de artistas da Rádio Difusora; com Setton compus músicas para o Grupo Terra, dentre as mais conhecidas: Raízes, Poder é querer e Serra Pau, vencedora do 1º Canta Nordeste regional, o que nos levou a disputar com os vencedores de todos os estados nordestinos.


Pablo de Carvalho, meu atual e inesperado parceiro; após o incidente, em que perdi o dedo anular, por ele incentivado,  voltei a compor, já são mais de quinze músicas, que em breve farão parte do CD Contemporâneos..
Em gratidão as esses maravilhosos parceiros e amigos, disponibilizei para "download" todas as músicas dos CD's: Duas Caras, Dilúvio, do LP do Grupo Terra e outras gravadas por artistas alagoanos: Wilma Araújo, Leureni, Dydha Lyra, Eliezer Setton, Telma Soares, Nara Cordeiro, Ana Costa, Dulce Miranda e outros.
As músicas encontram-se disponíveis logo após o Arquivo do Blog.

.

Comentários

geraldo rebelo disse…
bom resumo, chico. não tem nada a perder quem quiser se aprofundar. é só ouvir as músicas. várias delas dignas, com toda certeza, de inclusão em qualquer antologia musical alagoana.
um abraço a todos.
geraldo.

Postagens mais visitadas deste blog

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …

O INCRÍVEL MUNDO DO SILENCIOSO MENINO

O meu lugar de morada outrora fora um lugar de vivências ancestrais: a Praça dos Martírios e em torno dela, o comércio ao leste e um pouco mais um mar e a oeste a Cambona; para o sul, o bairro da Levada e, logo acima, o mirante de Santa Teresinha, e era neste contexto que, nos entornos daquela praça, se desenvolvia um mundo onde se misturavam garotos, jovens e velhos.

Todavia, eu vivia silencioso e enclausurado em meu quintal e, só muito tempo depois foi que, aos poucos, ele percebeu o estranho e secreto universo daquele mundo. Alí, enquanto estavam a se embrenhar nos mangués, outros a jogar bola e outros meninos nas ruas assaltando sítios e roubando mangas, e ainda outros a nadar nas águas até o cais, eu, – ficava no quintal a arquitetar mundos imaginários por entre galinhas, bichos, e, amigos e inimigos imaginários.
E a tudo ele transformava em sonhos. Os animais que havia, com o passar do tempo tinham todos nome. As galinhas que as vezes sumiam, eram para ele um desespero, e, foi …

Manifesto Sururu

Edson Bezerra, o autor. O manifesto sururu quer muito pouco.  Quem sabe um pouco mais do que exercitar um certo olhar: um olhar atento por sobre as coisas alagoanas. O manifesto sururu não quer apostar e nem pousar em outras imagens.  O que ele procura é exercitar olhos e sentidos por sobre (e dentre) antigas e permanentes imagens das coisas alagoanas: olhar primeiramente os canais que interligam as lagoas e os rios.  Os canais sempre foram as nossas pontes e disto já o sabia Octávio Brandão.  O manifesto sururu também fala da fome. Não da fome comum, mas da fome de devorar as Alagoas. Contra as derrapagens de uma modernidade vazia, uma outra assinalada de coisas alagoanas. Novas rotas. Rotas alagoanas: de canais e lagoas, sobretudo.
Tchello d’Barros  Aqui uma lúdica intertextuallidade com o Manifesto Sururu, esse breviário de saberes, falares e viveres, que você trouxe à tona numa linguagem poética impregnada de essências alagoanas, de ancestralidades, de elementos arquetípicos dessa terra, d…