Pular para o conteúdo principal

Aconteceu no Governo Gaisel - 1974 a 1979

Vlado Herzog

Nascido na Croácia, parte do reino unido da Iugoslávia, naturalizado brasileiro, conhecido como Vlademir, foi jornalista, professor e dramaturgo. Tornou-se famoso pelas consequências que teve de assumir, devido suas conexões com o movimento de resistência contra o regime do Brasil e pela sua ligação com o Partido Comunista .
Sua morte causou impacto na ditadura militar brasileira e na sociedade da época, marcando o início de um processo pela democratização do país. 
Era formado em Filosofia, trabalhou em importantes ógãos de imprensa no Brasil, notavelmente no "O ESTADO DE SÃOPAULO, em 1970, assumiu a direção do departamento de telejornalismo da TV CULTURA.

Prisão e Morte
Em 24 de outubro de 1975, agentes do II Exercito o convocaram para prestar depoimento sobre as ligações que mantinha com o Partido Comunista Brasileiro, o que era proibido pela ditadura. No dia da convocação compareceu, entretanto, o seu depoimento foi obtido por meio de tortura. No dia seguinte, 25 de outubro, foi encontrado enforcado com o cinto de sua própria roupa.

Pós-morte
Vlademir era casado com a publicitáia Clarice Herzog, com quem tinha dois filhos, entretanto, após sua morte passou por maus momentos e teve que contar aos filhos ainda pequenos o que havia ocorrido com o pai. Três anos depois, consegui que a União fosse responsabilizada, de forma judicial, pela morte do esposo. 
Ainda sem se conformar,dizia:
"Vlado contribuia muito mais para a sociedade se estivesse vivo"
A norte de Valdemir Herzog impulsionou fortemente o movimento pelo fim da ditadura militar brasileira. Após sua morte, grupos intelectuais atraves de jornais, atores no teatro, além do povo nas ruas, se empenharam na resistência contra a ditadura no Brasil. 
Em 1976, Gianfrancesco Guarniere escreveu PONTO DE PARTIDA, espetáculo teatral que tinha o objetivo de mostrar a dor e a indignação da sociedade brasileira diante do ocorrido, segundo Guarniere:
[...] Poderosos e dominados estão perplexos e hesitantes, impotentes e angustiados.

Contendo justos gestos de ódio e revolta, 
Taticamente recuando diante de forças transitoriamente invencíveis. 
Um dia os tempos serão outros. 
Diante de um homem morto, todos preisam se definir. 
Ninguém pode permanecer indiferente. 
A morte de um amigo é a de todos nós. 
Sobre tudo quando é o Velho que assasina o Novo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRAMENTOS DA MEMÓRIA DE UM TEMPO - GRUPO TERRA

RAÍZES, “UM HINO À SUBVERSÃO” Sexta Parte

De todas as classes artísticas, a dos músicos foi provavelmente, a mais visada e atormentada durante o Regime Militar. Episódios como o da censura sem tréguas às canções de Chico Buarque e os dois exílios de Caetano Veloso e Gilberto Gil, são icônicos no que se refere às perseguições amargadas por artistas brasileiros. Por aqui, certamente, o fato mais expressivo envolveu o III Festival Universitário de Música e uma composição de Chico Elpídio e Eliezer Setton, então membros do Grupo Terra.  Raízes virou notícia nacional quando, em 1983, foi o estopim de uma acirrada discussão envolvendo os conselheiros Pompeu de Souza, representante da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Antônio de Morais, do Conselho federal de Entorpecentes (CONFEN), ambos integrantes do Conselho Superior de Censura (CSC) em Brasília. A obra de Elpídio e Eliezer foi uma das doze músicas selecionadas no festival, que havia acontecido um ano antes em Alagoas. Todas est…

Causos - Histórias - Estórias e Anedotas

O Sertão sempre foi assolado por coronéis.  Homens ricos, geralmente fazendeiros, e muito influentes, que acabavam por incursionar também no meio político. E Ôlho d’Água das Flôres não escapou de ser dominada por esses caudilhos, assim como toda a região sertaneja e, por algum tempo, todo o estado de Alagoas também.  O último deles, com todas as características por todos conhecidas, que eram peculiares aos coronéis, foi Elísio da Silva Maia, de Pão de Açúcar, mais conhecido pelo povo como “Seu” Elísio.  Dominou a política de cidades como Pão de Açúcar, Palestina, Monteirópolis e Olho D’Água das Flôres, por exemplo. Em certo momento, tinha muita influência também no Palácio Floriano Peixoto.  Conta-se dele, principalmente depois que morreu, muitos “causos”, histórias, estórias, anedotas, ficando muito difícil saber se algumas foram, realmente, verídicas ou não.  Algumas são muito engraçadas.  Conta-se que, certa vez, agendara Elísio Maia uma viagem a Juazeiro do Norte, o Juazeiro do P…

ÊLES FAZEM A FAMÍLIA CAMBONENSE

O Cambona sempre foi fértil em oferecer não só para Alagoas, profissionais da mais alta estirpe. Quem não se lembra dos professores Cajueiro e Granjeiro, pioneiros na formação de cursinhos para o ensino da Lingua Portuguesa; Antônio Paurilho, pianista e compositor, autor da música "Ansiedade"; Marcelo Santos, Agulhas Negras; Aldo Flores, Procurador do Estado; Dilmar Camerino, Ministério Público Estadual; Haroldo Miranda, ícone da radiofonia alagoana; Sabino Romariz, radialista e Deputado Estadual; Cleto Marques Luz, Consultor Jurídico da Assembléia Legislativa e eterno Presidente da Federação Alagoana de Futebol; os comtemporâneos: Edson Bezerra e Cícero Péricles, doutores em Sociologia e Economia, respectivamente; Alder Flores, Advogado Ambientalista; Josenal Fragoso, Procurador da Ceal; Cláudio Lima de Souza, Delegado da Polícia Federal, como se vê, personagens que só engrandecem e honram nosso bairro. Ainda são remanescentes no Cambona: Guiomar de Gouveia Bezerra, Norma …